Portugal juntou-se na terça-feira ao Cyber-Defense Centre da NATO. O centro tem a missão de melhorar a capacidade de cooperação e partilha de informações relativas à cibersegurança entre a NATO, os países membros e todos os parceiros.

A Nato Cyber-Defense Centre tem um novo membro — na terça-feira Portugal aderiu à organização.

A Nato Cyber-Defense Centre é um centro multinacional e interdisciplinar no que toca a cibersegurança, e foi fundado em 2008 em Tallin (Estónia).

O Centro alcançou o estatuto de Organização Militar Internacional em 28 de outubro de 2008. É uma Organização Militar Internacional com a missão de melhorar a capacidade, cooperação e partilha de informações de cibersegurança entre todos os membros da NATO e seus parceiros.

“We are facing adversaries who target our common values in cyberspace: freedom, truth, trust,” centre director Merle Maigre said at the ceremony.

“To build resilience we need to come together. That is why I am glad to welcome Portugal as together we are stronger.”

NATO Cyber-defense centre

Em 2017, o centro sofreu um ataque informático. A Estónia  acusou a Rússia pelo ataque que afetou as redes informáticas da organização.

Portugal é o 21º país a aderir ao Cyber-defense Centre. Outros membros são a Áustria, Bélgica, República Checa, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Itália, Letónia, Lituânia, Holanda, Polónia, Portugal, Eslováquia Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos.

Austrália, Noruega e Japão irão também juntar-se brevemente à organização.