Reading Time: 3 minutes

Em 21 de outubro de 2016, Dyn, uma empresa que controla uma parte significativa da infra-estrutura de DNS da Internet, observou os servidores sendo desligados um após o outro devido a um ataque DDOS maciço. As consequências foram terríveis: o acesso ao Reddit, Netflix, CNN e outros sites populares ficou suspenso por quase um dia. Um dia pode parecer não tão ruim, mas do ponto de vista comercial, é um desastre.

Vamos dar uma olhada em outro exemplo. Em 9 de janeiro de 2017, a FDA (Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos) precisou fazer uma declaração que faz com que o ataque DDOS acima pareça apenas um arranhão.

Em outras palavras, os hackers podem literalmente dar a alguém um ataque cardíaco – um cenário aterrorizante, que, infelizmente, está mais próximo da realidade do que nunca. Há uma coisa que ambos os incidentes têm em comum: a exploração de dispositivos IoT.

Na primeira ocasião, os servidores foram atacados por impressoras, câmeras e monitores de bebés, que foram usados como uma botnet para inundar os servidores com solicitações até travarem. Hackear um transmissor para obter acesso a um implante cardíaco é outro exemplo de invasão da Internet das Coisas.

Se o seu dispositivo estiver enviando dados de forma não cifrada, a comunicação poderá ser interceptada, modificada e infectada por malwares e vírus. Até que os dispositivos venham com apps de segurança codificados, é altamente recomendável uma VPN em um roter. Ela cifra toda a comunicação entre dispositivos IoT conectados ao router e mascara o endereço IP, tornando muito mais difícil explorar a rede para fins maliciosos.

 

O que é IoT?

A IoT é uma rede de dispositivos interconectados que podem partilhar dados entre si. Internet é inseparável da comunicação humana, o desenvolvimento da Internet é o desenvolvimento da comunicação global de velocidade da luz entre os seres humanos.

A Internet das Coisas, por outro lado, é definida principalmente pela comunicação entre máquinas interconectadas, que separadamente têm pouco ou nenhum objetivo de estar online (é por isso que tablets e smartphones não são considerados dispositivos de IoT).

O primeiro dispositivo de IoT remonta ao início de 1980. David Nichols, um estudante de pós-graduação no departamento de ciência da computação da Universidade Carnegie Mellon, ligou uma máquina de venda de coca-cola ao computador principal de seu departamento, que por sua vez estava conectado à ARPANET (uma versão anterior do a Internet). Dessa forma, ele consegui saber o status das bebidas (vazias / quentes a frio) remotamente em seu computador. A máquina de venda automática e o computador principal trocaram informações, e David pôde verificar o status sempre que quisesse.

 

IoT em 2019

Quase trinta anos se passaram desde o primeiro dispositivo de IoT, e as previsões são de que, até o ano 2020, teremos mais de 50 mil milhões dispositivos de IoT. Isso é cerca de seis vezes mais que a população mundial. Já chamada de quarta revolução industrial, coloca novos desafios em todas as frentes.

Um dos maiores problemas é a segurança do dispositivo. Nos últimos trinta anos, testemunhamos a expansão da Internet, a evolução do telefone comum em um smartphone, a virtualização de dinheiro. Novos riscos seguiram cada estágio do desenvolvimento: a comunicação online é usada para propaganda; smartphones para rastreamento; e as contas bancárias são esvaziadas sem o uso de uma arma.

Há poucas dúvidas de que conectar vários dispositivos à Internet e oferecer aos utilizadores acesso remoto torne a vida mais confortável. No entanto, conforto é um palavrão para especialistas em segurança cibernética. A segurança online e a proteção da privacidade são frequentemente trocadas por facilidade de uso, e a IoT não é uma exceção.